comexblog.com
Importação da China

A IMPORTAÇÃO DA CHINA PODE SALVAR O SEU NEGÓCIO

O Brasil possui 20 milhões de CNPJs ativos, e destes, 6 milhões são empresas de comércio.

Destes 6 milhões, pouco mais de 40 mil empresas operam no comércio exterior, na importação ou exportação, com uma regularidade mínima, nos últimos 12 meses, segundo dados oficiais do Ministério da Economia.

Ou seja, menos de 1% das empresas ativas no comércio estão importando.  Por que este número é tão pequeno?

Minha teoria é que a complexidade afasta o pequeno e médio empresário deste jogo. 

Muitos deles ainda acreditam que importar é algo intangível para o seu pequeno negócio, e que a burocracia é invencível para quem não tem experiência no ramo.

Este pensamento não deixa de ser verdadeiro. 

Importar da China para Brasil é complexo, cheio de normas e regras, e tudo é feito para que a coisa não dê certo no final.

É impensável que mesmo com tanta tecnologia, os órgãos fiscalizadores ainda exijam papéis assinados de próprio punho, como a fatura comercial, para citar apenas um dos muitos absurdos que temos na atualidade.

Mas isto está mudando.  

A facilitação econômica foi implementada no Brasil em 2013, e de lá para cá, os empresários brasileiros estão experimentando mudanças nunca vistas.

Projetos com o Portal Único de Comércio Exterior, DU-E e DUIMP provam que as coisas caminham para redução da burocracia estatal, tornando-os mais eficientes e harmonizados.

Aliado a isto, a China oferece oportunidades incríveis de compra, a preços arrasadores, e que o comerciante brasileiro não pode ficar de fora deste jogo.

Falando em China, eu sempre faço esta pergunta a quem tem dúvida viabilidades na importação:  você vai ficar de fora, se o seu concorrente está lá?

Nesta conversa você vai conhecer alguns conselhos importantes que vão te ajudar a decidir importar. Vamos lá!

QUANTO PRECISO PARA IMPORTAR DA CHINA?

Existem inúmeras variáveis que impactarão nesta resposta, mas eu tenho um número ´mágico´, que oriento a todos que me procuram.

Para mim, o pedido mínimo necessário para ter alguma lucratividade na importação são 5 mil dólares/FOB.

E por que este valor? Vamos lá, que vou te explicar.

Normalmente, o custo total da importação da china dobra. Se você compra por 1 dólar na China, o produto chega na sua porta por 2 dólares (na maioria dos produtos que não contém licenças prévias, como Inmetro ou Anvisa).

Se considerarmos uma taxa de conversão ´conservadora´ (por exemplo, R$ 6) para esta operação, teríamos um investimento inicial de 60 mil reais.

E baseado nas operações que fazemos mensalmente, estes 60 mil de compra podem se transformar em 180 mil reais de faturamento.

Estes valores podem oscilar? Sim, podem, a depender do produto, do mercado e custos diretos da operação. Mas na prática, é mais ou menos assim que acontece.

E por que um mínimo de 5 mil dólares compra mínima?

Porque existem valores que incidem sobre o valor (variável), como tributos, mas existem situações em que há custos fixos, independente do que você está comprando (como o frete, a armazenagem mínima, honorários aduaneiros, taxa de utilização do Siscomex, dentre vários outros).

Sem falar que muitos fabricantes exigem pedidos mínimos, por questões de política de venda.

Em resumo: está pensando em uma importação lucrativa e segura, sem sustos ou preocupações?  Considere investir 60 mil reais iniciais.

COMO IMPORTAR DA CHINA LEGALMENTE PARA REVENDA?

A primeira coisa que você vai ter de fazer é ter uma empresa formal, um CNPJ como dizemos no jargão diário.

Não há restrição quanto ao formato de constituição da empresa, podendo variar de MEI até uma S/A.

Se você estiver no início da jornada, abra uma empresa no MEI, tire a sua habilitação, e comece a importar.

Se você já tiver alguma experiência empresarial, ou algum capital para investir, faça uma Micro Empresa, no Simples, que vai ser melhor.

O próximo passo é ter uma habilitação no Radar/Siscomex.

O processo formal de habilitação é uma exigência da Receita Federal do Brasil para toda as empresas e pessoas físicas que desejam importar ou exportar.

Este registro é feito no RADAR (Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros) e segue o modelo prescrito na IN 1.984/20.

O Radar tem por objetivo unificar as informações de todos os intervenientes no comércio exterior, como importadores, exportadores, para monitorar o comportamento e limite de atuação.

IDENTIFICANDO FORNECEDORES CONFIÁVEIS NA CHINA

Eu tenho um artigo escrito sobre o tema, que pode lhe ajudar a entender melhor como isto funciona, e que pode ser acessado neste link.

Com empresa aberta e habilitação no Radar, o próximo passo é identificar fornecedores confiáveis para começar a sua importação da China.

A internet vai ser a sua principal aliada nesta primeira etapa. Com ela você vai ter uma excelente noção de quem está produzindo aqueles itens do seu interesse.

De posse do nome em inglês do seu produto, há três grandes sites que ajudam os iniciantes nesta etapa de localizar possíveis fornecedores na China: Global Sources (link aqui), Made In China (link aqui) e Alibabá (link aqui).

Uma rápida pesquisa nestes três sites já vai lhe proporcionar uma visão geral de o que a China está produzindo, preços praticados e quantidades mínimas disponíveis para você começar a avaliar a viabilidade comercial.

Eu tenho conteúdo que pode lhe ajudar neste processo de desenvolvimento de fornecedores confiáveis, que pode acessado neste link.

Uma vez identificado os possíveis fornecedores, você deve iniciar a negociação.

Tratar do preço, da quantidade mínima, do local de embarque, além de questões documentais, forma de pagamento e prazo de pagamento.

Nesta fase, é comum solicitar uma FATURA PROFORMA, para garantir a oferta.

Discuta também com o fornecedor fazer uma inspeção de fábrica, para conhecer as instalações, e quando a carga estiver pronta, uma inspeção final da mercadoria.

QUAIS SÃO OS CUSTOS ENVOLVIDOS NA IMPORTAÇÃO DA CHINA?

Eu divido esta operação em QUATRO grandes blocos: Mercadoria, Logística Internacional, Tributos e Despesas Aduaneiras.

Sem sombra de dúvida, a maior parte deste custo será alocada na carga tributária. O Governo (seu sócio majoritário) cobra muito alto pela importação.

 É natural que o preço dobre (!!), e em alguns casos até triplicar. E não há como ´economizar´ nesta fase. Importar no Brasil é pagar imposto, gostem ou não.

A logística internacional e as despesas aduaneiras, apesar de ter um impacto menor, não podem ser desprezadas.

Fazer o levantamento destes custos é tarefa para especialista, e você vai precisar contratar um consultor ou um DESPACHANTE ADUANEIRO.

Com a NCM dos seus produtos, vai ser possível encontrar a carga tributária e os procedimentos administrativos.

Encontrar a NCM é o elemento mais importante da sua operação, e qualquer erro, pode lhe trazer dores de cabeça. Por isso, contrate alguém para fazer para você.

O próximo passo é PLANILHAR os valores da sua importação empresarial.

Aqui no Comexblog nos temos uma planilha de custos que vai te ajudar nesta tarefa. Ela é gratuita e pode ser baixada neste link.

QUAIS SÃO OS TRIBUTOS PAGOS NA IMPORTAÇÃO?

Olhamos um preço no exterior, e imediatamente fazemos a conversão para a taxa do dólar. Isso nos permite comparar com os preços nacionais.

É natural, óbvio, que a diferença seja gritante. Mas fazer ´custeio´ por esta lógica, revela um desconhecimento enorme da formação de preços no Brasil.

Boa parte desta diferença está na carga tributária aplicada e nas despesas aduaneiras, e muito menos na margem de lucro.

Se um produto custa, no Brasil, 3 vezes mais, em dólar, do que no exterior, pode acreditar que 80% deste preço é carga tributária e outros custos logísticos envolvidos.

Quem não é do ramo de importação empresarial se assusta quando descobre que a importação brasileira paga 05 tributos, no mínimo, sendo 4 federais e 1 estadual.

São estes:

  1. Imposto de Importação; 
  2. IPI;
  3. PIS;
  4. COFINS; e
  5. ICMS.

Por aqui, importar é pagar tributos!

Mas não é só isso. O importador também terá outras despesas, como Taxa de Utilização do Siscomex, AFRMM na importação marítima, e dependendo do produto, direito antidumping ou CIDE (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico).

Isto é somente a carga tributária. 

Porque no preço final do produto ainda haverá as despesas aduaneiras, como honorários do despachante, armazenagem, taxas portuárias, de liberação do agente marítimo e movimentação

Assim, calcular o preço final do produto importado no Brasil é algo que requer dedicação e análise técnica, ou então o seu lucro irá pelo ralo.

COMO IDENTIFICAR OS TRIBUTOS NA IMPORTAÇÃO

Até aqui falamos dos tributos, mas não dissemos de como identificá-los.

Seria necessário fazer uma explicação mais técnica sobre a classificação fiscal, mas o momento não é este.

Então, é preciso dizer que será necessário ter em mãos a NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul).

A NCM é a nomenclatura aduaneira do Brasil e desempenha papel fundamental na definição e controle das alíquotas dos tributos na importação.

Com a NCM (correta) em mãos, o interessado vai fazer uma pesquisa em uma ferramenta de apoio.

Esta ferramenta pode ser gratuita (como o simulador tributário da Receita Federal), ou em uma paga, muito mais robusta, com ótima acessibilidade, informações atualizadas, e que vai trazer mais segurança para a operação.

Eu Utilizo a Infoconsult [Faça um teste por 30 dias, acessando aqui]

Não quero dizer que o Simulador da Receita não é confiável, mas sua usabilidade é ruim, e nem sempre as informações são detalhadas.

Mas se o propósito é achar apenas os 4 tributos federais, fique nele. 

Se você precisar de algo mais avançado, arrojado, busque um serviço pago, como a TecWeb, da Infoconsult.

E o ICMS? Este é o pior dos tributos a serem identificados na importação.

São 27 Unidades da Federação, com competências exclusivas para legislar sobre o tributo, com alíquotas que podem variar de 7% a 35%, conforme a essencialidade das mercadorias.

Na importação, geralmente as alíquotas ficam entre 17% e 18%, mas é preciso pesquisar no Regulamento do ICMS (RICMS) do Estado em que se encontra a importadora.

O local do desembaraço não importa, e sim aquele em que estiver a empresa.

Por exemplo, uma empresa Capixaba, que utilize o porto do Rio de janeiro por questões logísticas, vai recolher 17% para o Estado do Espírito Santo.  Esta é a regra.

E POR QUE A IMPORTAÇÃO VAI SALVAR A SUA EMPRESA?

A viabilidade do seu projeto de importação da China vai ser definida pela margem de lucro (a diferença entre o custo final e o preço de venda).

E dependendo do ramo em que atua, esta margem de lucro pode ser multiplicada por 3. Isto não é devaneio da minha parte, mas uma constatação.

A minha realidade diária de assessoria a pequenas empresas comprova que a importação é um excelente negócio, se bem planejada.

Temos exemplos de produtos de diversos segmentos, desde a informática e papelaria, até máquinas e equipamentos, passando por roupas, acessórios da linha PET, ferramentas, brinquedos para animais, produtos de beleza, acessórios para bicicletas, bijuterias, embalagens, garrafas térmicas e muito mais.

São mais de 150 processos por mês, de empresas que estão na sua primeira importação, e que já decidiram que irão continuar.

Por quê?  Porque o negócio é promissor, e se bem assessorado, aquela burocracia, complexidade e dificuldade que disse no início deste conteúdo, vai ser imperceptível.

Se você tem clareza do seu negócio, e conhece muito bem do ramo em que atua, a importação é a solução para a sua empresa decolar.

Não estou dizendo que importar é fácil, e que o processo é simplificado.

Pelo contrário, é burocrático, com inúmeras regras a serem cumpridas, e que requer paciência e planejamento.

Mas existe um modelo a ser seguido, que pode evitar os problemas que estamos acostumados a ouvir, como cargas apreendidas pela fiscalização, pesadas multas por erros pequenos, e valores exorbitantes de frete, despesas ou armazenagem.

Uma coisa eu tenho certeza: por mais que se tenha ouvido falar que a importação é complexa e burocrática, você não pode ficar de fora.

Seu concorrente está lá. Seu melhor amigo está lá. Muitos empresários cresceram com a importação, e só você que ainda não participa?

Este jogo tem que mudar.

UM CONVITE ESPECIAL PARA VOCÊ

Se você quiser acompanhar os bastidores da importação, verificando como as operações acontecem na prática, sem tarja preta, sem esconder nenhum procedimento, e com isso se tornar uma autoridade no seu ramo, eu te convido a me acompanhar no Instagram.

Eu faço postagens em que mostro os segredos dos nossos bastidores revelados na sua timeline. É conteúdo de mentoria, só que de graça.

Basta clicar neste link e me seguir. Te espero lá 📍

Carlos Araújo

Sou um entusiasta pelo comércio exterior e tenho como missão simplificar estas operações para as empresas, reformulando processos e etapas, tornando-os mais eficientes e harmonizados, para reduzir o tempo e os custos nas importações brasileiras.

Deixar comentário